Veneno da ausência

Em meio ao pó da solidão,
respiro o aroma da tristeza.

Degluto o amargo do desprezo,
salivando o não-alívio.

Sozinho, eu rezo
e faço um brinde
com vinho tinto.

Fico tonto
e durmo torto.